quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Dificuldades no orgasmo feminino, falta de prazer sexual. Técnicas para chegar ao orgasmo e ter um relacionamento sexual saudável



A Anorgasmia é definida como a falta de prazer orgásmico após um período de excitação normal (com aumento de lubrificação e volume da vulva). Pode ser primária, quando a mulher jamais experimentou um orgasmo, ou secundária, quando essa deixou de obter o gozo sexual nos envolvimentos amorosos, antes satisfatórios. 

De acordo com Rodrigues Jr. e Zeglio (2001), três em cada cinco mulheres queixam-se de dificuldade ou falta de orgasmo. Frente a esta demanda, foram desenvolvidas técnicas terapêuticas que visam facilitar e viabilizar o orgasmo feminino. 

Algumas técnicas da Terapia Sexual para o tratamento da Anorgasmia feminina

Tais técnicas são divididas em gerais e específicas, uma vez que é necessário um preparo inicial da mulher para a aplicação e execução, posterior, de técnicas focais e específicas utilizadas na Terapia sexual.

Segundo os mesmos autores citados, as técnicas gerais (de preparação) para o tratamento da anorgasmia feminina são:

- Relaxamento: são apresentados exercícios para que a mulher aprenda formas de relaxar, melhorando sua percepção corporal e identificando estados e pontos de tensão muscular que desfavorecem o desempenho sexual;

- Auto-erotização: exercício feito, principalmente, no momento do banho, no qual a mulher explora o próprio corpo (neste momento, sem incluir os genitais) e se permite reconhecer as regiões erógenas e o prazer sensorial, visando o bem-estar e o relaxamento;

- Biblioterapia: são indicadas e orientadas leituras diárias, através de livros e textos sérios e de qualidade sobre sexualidade e orgasmo feminino, a fim de que a paciente se aproxime do assunto e adquira conhecimentos e informações importantes para corrigir possíveis distorções cognitivas e para facilitar a execução dos exercícios sexuais;

- Técnica de auto reconhecimento corporal: é feita com o auxílio de um espelho, através do qual a mulher se olha (primeiramente de roupa e, num segundo momento, nua) procurando observar com atenção as partes do corpo, perceber como se sente ao vê-las, o que agrada, o que pensa sobre elas, etc. Tal técnica tem por objetivo facilitar o processo de aprendizagem do comportamento orgásmico. Também é solicitado que, após se observar, a mulher anote todas as sensações, sentimentos e percepções que teve e as leve para a próxima sessão de terapia sexual, a fim de que sejam trabalhados os afetos que são despertados no contato com o próprio corpo e se adquira consciência corporal.

Após a execução de tais exercícios preparatórios, outras técnicas são propostas mais focais e específicas, como por exemplo:

- Foco ou focalização sensorial: este exercício deve ser proposto ao casal e consiste de duas partes. Na primeira, cada um dos membros do casal faz massagem no corpo todo do outro (sem incluir os genitais e os seios), primeiramente, na parte das costas e depois de frente. A segunda parte, inclui a primeira e termina com carícias no genitais, sem exigência da penetração. Este exercício permite o desenvolvimento de intimidade, comunicação verbal e não- verbal entre o casal.

- Masturbação: consiste em a mulher explorar manualmente seus genitais, buscando se concentrar nas regiões mais excitantes e prazerosas. Desta forma, a mulher adquire auto-conhecimento e aprende formas de obter orgasmo. A masturbação com objetos introduzidos na vagina, lhe permitirá saber como seu corpo funciona na relação, aprendendo a manejá-lo, descobrindo como ficar lubrificada e como relaxar mais a entrada da vagina para não ter dor ou desconforto.

- Manobra da Ponte: para mulheres que já sabem obter o orgasmo através da manipulação clitoridiana, este exercício consiste em a mulher ir experimentando o orgasmo clitoridiano com o pênis introduzido [ou os dedos da parceira no caso de um relacionamento homossexual ]. Numa posição em que se permita tanto a penetração quanto a estimulação do clitóris, no momento em que a mulher está experimentando o orgasmo via clitoridiana, o pênis [ ou os dedos ] devem ser introduzidos. Posteriormente, a estimulação manual do clitóris vai sendo interrompida cada vez mais cedo e a penetração é mantida, até o ponto em que o orgasmo ocorra sem a manipulação e somente com a penetração e os movimentos regulares de vaivém.

É importante salientar que toda e qualquer técnica não deve ter um fim em si mesma, mas sim, deve ser utilizada como um meio para se atingir um fim, ou seja, não deve ser proposta isoladamente e sim inserida e contextualizada no processo terapêutico.



Fontes:


CAVALCANTI, R.; CAVALCANTI, M. Tratamento Clínico das Inadequações Sexuais. 2ª edição, Editora Roca, São Paulo, 1996.


RODRIGUES JR., O.M; ZEGLIO, C. Anorgasmia feminina. IN: Aprimorando a saúde sexual – manual de técnicas de terapia sexual. Instituto Paulista de Sexualidade. Summus Editorial, São Paulo: 2001, p. 315-325.

RODRIGUES JR. Focalização Sensorial. IN: Aprimorando a saúde sexual – manual de técnicas de terapia sexual. Instituto Paulista de Sexualidade. Summus Editorial, São Paulo: 2001, p. 315-325. 
Carla Augusto Rita de Pinho Lima,
 Psicóloga Clínica da Abordagem Cognitivo-Comportamental, com Especialização em Sexualidade Humana pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Obs: Colchetes meus

Um comentário:

  1. De uma olhadinha
    http://www.youtube.com/watch?v=HmK58hR7BaI&list=UUAOkcxAExbLSkmPKTKo4qaQ&index=30
    Deixe seu comentario aqui ou ate no canal.

    ResponderExcluir